Lucas Prim
Lucas Prim Editor do Biz4Devs. Desenvolvedor de software de coração, gestor de profissão.

Uma boa dose de League of Legends para escalar sua Startup

Uma boa dose de League of Legends para escalar sua Startup

Cerveja e salgadinho. Essa era sopa primordial de uma noite de jogatina. Era só o pai do meu amigo botar o pé para fora de casa que cinco marmanjos enfileirados, cada um com o seu PC, ocupavam o apartamento, nosso QG. Cinco adolescentes, trancados num apartamento, tomando cerveja, comendo salgadinho, jogando League of Legends (LoL). O que hoje me faz torcer o nariz era minha definição de uma sexta-feira a noite perfeita.

De lá pra cá a cerveja deu lugar ao vinho e pouca coisa sobrou dos velhos hábitos. Mas algumas lições ficaram. A principal é a de que você só ganha o jogo adaptando sua estratégia conforme o jogo vai evoluindo. Três fases distintas deveriam ser jogadas de forma diferente: Early Game, Mid Game e Late Game.

Fico pê de vida quando escuto um executivo de corporate venture ou um empreendedor falando de escala sem ter nem um produto bem resolvido. Onde foram parar os jogadores de LoL? E os de Age of Empires? Civilization? As lições aprendidas ficam perdidas no tempo. Um empreendedor que acelera sem rumo numa estrada sem ter mapa terceiriza para a sorte um dos poucos aspectos que dá para resolver com ciência.

Fui protagonista e espectador de diversas variações desse problema: o empreendedor que tem um produto imaturo e jura que está na hora de escalar, o corporate achando que todo problema de inovação se resolve com dinheiro e energia, ou a startup que encontrou um produto bacana mas acha que escalar é só uma questão de captar investimento. A lista é longa.

A solução para esses problemas é usar a tática do LoL: adaptar sua estratégia para cada etapa do jogo. Foi meio na sorte que eu trombei alguns anos atrás com um artigo do Brian Halligan em que ele classifica o ciclo de vida da empresa para ir de startup até scale up em quatro etapas:

  1. Encontrar o Product Market Fit - Você consegue vender seu produto? Essas pessoas gostam e permanecem utilizando seu produto?
  2. Fazer a Matemática Funcionar - Você consegue adquirir um cliente - considerando todos os custos de marketing e vendas - por R$ X e depois conseguir R$ 3*X considerando a margem bruta que ele deixa para sua empresa ao longo do seu lifetime?
  3. Fazer a Matemática Escalar - Você consegue manter a razão de retorno de R$ X -> R$ 3*X colocando muito mais dinheiro na empresa e contratando novos times?
  4. Saturar - O mercado que você atende está ficando saturado (você já vendeu para quase todo mundo que poderia comprar seu produto) ou outra empresa está oferecendo um produto melhor para o mercado e disrupting a sua.

É genial. Dado o que eu já vi por aí, o diabo mora nas etapas iniciais, no early game. Achar um produto rentável e um mercado em que ele faça sentido é uma penúria infernal. Ouvir dos clientes que seu produto é uma porcaria dói. É infinitamente mais prazeroso contratar, criar playbooks, se mudar para aquele escritório bacana, etc. Mas a mesma proporção de prazer volta depois em frustração.

Dá pra fazer diferente. Quando escutei a história de um maluco vendendo um software de email SAAS por US$ 30/mês e com quase 1 milhão de pessoas na fila para assinar, pensei que era golpe. Escutei a entrevista do Acquired com o founder, Rahul Vohra, e percebi que era genialidade pura. Diferentemente de nós, réles mortais, ele soube ter paciência e não tentou dar um passo maior que a perna. Recentemente, ele compartilhou o framework de lançamento de produtos que desenvolveu para o Superhuman. Lembra o modelo do Brian Halligan e serve de guia para quem já esqueceu das noites de jogatina. Tenha atitudes mais parecidas com as do Rahul - ou com as do gamer que mora aí dentro - do que com aquele anjo que acha que já passou da hora de acelerar. Um bom early game é essencial para vencer o jogo.